Novidades

Por: comKids (Redator)

Por meio de iniciativas, colheitas e reflexões, o comKids busca uma forma de potencializar o debate sobre a Cultura da Infância. A partir do mapeamento de nuances e abordagens em torno do brincar, o ComKids inicia um apanhado de ações em esferas culturais, artísticas e de comunicação para crianças, em âmbito regional, nacional ou internacional.

No último dia 11 de setembro, aconteceu a 4ª edição do “Seminário Revista Crescer”, no Espaço Gardens, em São Paulo e o comKids esteve presente. O tema principal do encontro foi “A importância do brincar” dividido em dois painéis de debates para um público variado de especialistas, músicos, pediatras, professores, psicanalistas, apresentadores de TV e estudiosos do assunto. As discussões geraram em torno da questão dos cuidados que devem ser tomados para o brincar das crianças e também a relação entre o brincar e a escola.

Entre os participantes das mesas, estava a norte-americana Kathleen Alfano, responsável pelo PlayLab, o Laboratório de Pesquisa de Primeira Infância da Mattel, concedeu uma entrevista exclusiva para o ComKids, onde pôde falar um pouco sobre o como ela vê a importância da brincadeira na infância, e representatividade dos personagens, dos jogos e brinquedos. Veja abaixo a entrevista na íntegra:

comKids: Que aspectos ou que mecanismos as crianças estão despertando ou desenvolvendo quando brincam com personagens de desenho animado que veem na TV? Os brinquedos feitos a partir de personagens famosos e marcantes e histórias conhecidas, quando manipulados pelas crianças podem apoiar em alguma habilidade específica do desenvolvimento?

Kathleen Alfano: Quando brincam com personagens de desenho animado as crianças usam muito a imaginação, seja ao fingir que são o personagem ou ao interagir com ele no momento da brincadeira. Através da encenação, elas desenvolvem habilidades importantes e que estão relacionadas à compreensão, ao entendimento da outra pessoa.

comKids: Nas pesquisas que vocês têm desenvolvido existe alguma tendência ou orientação especifica em relação à criação de brinquedos eletrônicos ? 

K: Acreditamos que tanto brinquedos eletrônicos quanto convencionais são importantes para o desenvolvimento infantil. Filhos gostam de fazer o que seus pais fazem e os aparelhos usados por eles despertam muito interesse nas crianças. Muitas vezes o universo adulto nos serve de inspiração para desenvolver novos brinquedos, como câmeras fotográficas, notebooks, celulares e tablets que permitem uma interação muito próxima dos aparelhos reais. Também há outras formas de incluir a tecnologia nos brinquedos, com músicas, falas e movimentos, como é o caso do Cachorrinho Canta e Dança.

comKids: As crianças em fase pré escolar estão crescendo ou se desenvolvendo mais rapidamente em função do excesso de estímulos que recebem atualmente ? 

K:Pesquisas realizadas recentemente mostram que isso não acontece. Um mesmo teste aplicado há 50 anos foi repetido nos Estados Unidos dois anos atrás e os resultados foram os mesmos. Eles mostram que as crianças de hoje têm o mesmo ritmo de desenvolvimento – elas continuam começando a falar e andar, por exemplo, na mesma época. A tecnologia nos brinquedos não está fazendo com que as crianças se desenvolvam mais rápido. Ela é um elemento que traz o brinquedo para a realidade atual e permite uma interação com o mundo que as cerca.

comKids: A Mattel vem desenvolvendo iniciativas como a Rede de Brincar, que capacita educadores. Explique um pouco pra gente a política de responsabilidade social que envolve este tipo de iniciativa e quais são os impactos deste trabalho?

K: A Mattel apoia diversos programas sociais em todo o mundo, inclusive no Brasil. Em 2012 a Mattel do Brasil lançou seu programa de responsabilidade social, a plataforma Brincar para Aprender. Ela tem como objetivo direcionar os investimentos sociais da companhia para contribuir para o desenvolvimento infantil por meio do brincar. Um dos quatro pilares da plataforma é o Rede do brincar, que tem por objetivo aprimorar a qualidade do brincar de crianças de comunidades de baixa renda, por meio da capacitação de educadores, criação de uma rede de formação, troca de experiências e aprendizado. Esse projeto capacitou 60 educadores ao longo do ano e entregará nos próximos meses 21 brinquedotecas às 20 ONGs e uma escola municipal. O Rede do Brincar beneficiará, em 2012, cerca de 6.500 crianças.

comKids: Como funciona o PlayLab ? 

K: O Playlab foi o primeiro laboratório da indústria de brinquedos do mundo, fundado em 1961. Ele abriga experts em educação e desenvolvimento infantil que contribuem para que os brinquedos não sejam apenas diversão, mas que também despertem nas crianças novas habilidades e sensações. É no Playlab que surgem ideias para novos produtos e que são avaliados e testados os brinquedos. Especialistas e projetistas analisam as reações de mais de 2.000 “pequenos juízes” frente a novos produtos. São eles que ajudam a determinar quais são os brinquedos que entrarão na linha de produção em um processo que leva, pelo menos, um ano.

comKids: Para a viabilização do conteúdo audiovisual, há uma tendência em acreditar que a publicidade seria uma das fontes a dar sustentabilidade a este tipo de produção. A Mattel, como empresa fabricante e anunciante, tem alguma política que abrange este tipo de pensamento?

K: A Mattel não patrocina conteúdos audiovisuais, mas produz animações – seja internamente ou em parceria com produtoras – seguindo a diretriz global da empresa de primar pela qualidade e ética dos conteúdos vinculados a suas marcas, independentemente do formato escolhido.

comKids: Vc poderia apontar alguma característica especifica sobre a forma de brincar das crianças da America Latina? Vc tem alguma observação ou comentário sobre isso? 

K: Essa é a primeira vez que eu visito a América Latina e posso falar sobre o que observei no Brasil. Em três ocasiões diferentes em que tive contato com crianças no momento da brincadeira pude perceber que elas são bastante amigáveis e colaborativas umas com as outras. Com essa atitude, elas estão aprendendo a trabalhar em equipe e a se ajudar.

Quem é Kathleen Alfano?
Diretora Sênior do Departamento de Pesquisa Infantil da Mattel e responsável pelo laboratório de testes de Fisher-Price (o conhecido Playlab), Kathleen Alfano é ainda membro de importantes associações voltadas ao estudo do desenvolvimento infantil, como Associação de Brinquedos dos Estados Unidos (Toy Industry Association) e Comissão de Segurança em Produtos de Consumo nos Estados Unidos (Consumer Product Safety Comission).

A especialista iniciou sua carreira na Mattel em 1979, como educadora e pesquisadora do Departamento de Pesquisa Infantil da empresa, e logo tornou o Playlab o mais respeitado centro de estudos e pesquisas sobre desenvolvimento infantil no mundo. PhD em educação, Kathleen Alfano conta com mais de 40 anos de experiência em desenvolvimento e educação infantil.