Colunista

Aldana Duhalde

Por: Aldana Duhalde

Protagonistas fortes e a força das histórias: Tasmina, Emilia, Mia e Wera

Quatro programas totalmente diferentes brilharam no Prix Jeunesse deste ano, unidos pela convicção de seus protagonistas e pela necessidade de lutar – colocando o corpo e a alma – contra tudo aquilo que consideram injusto.

É o caso de “Tasmina, the horse girl”, o documentário da AVE CUE e ATN News India, que ganhou o prêmio temático dessa 51ª edição do festival. Ele traz a história de uma menina nascida em um povoado remoto de Bangladesh. Tasmina se atreve a ignorar as regras de uma sociedade machista, na qual 60% das meninas se casam logo após sua entrada na adolescência. Apesar do contexto e de ter apenas 11 anos, ela toma as rédeas de sua vida e decide lutar para ser um nome nas corridas de cavalos. Ela treina, compete e enfrenta às normas com uma “raiva“ e garra autêntica, impossível de ser freada. Como sua paixão.
De outro ponto de vista, num formato de ficção, a série “Presentes II”, produzida pela Mulata Filmes para o canal Encuentro, do Ministério da Educação da Argentina, nos aproxima de Emília, uma jovem que sofre o bullying de seus colegas de escola secundária. A tensão cresce até que surge um momento transformador e o fato de ser paraguaia deixa de ser motivo de maus-tratos. O disparador é simples e direto: perceber com a própria história que o bullying se repete sobre o seu irmão menor.

Tasmina: The Horse Girl: Promotional from Faridur Rahman on Vimeo.

emilia_destaque

Presentes II, Mulata Filmes para o canal Encuentro, do Ministério da Educação da Argentina. Divulgação.

Curiosamente, e seguindo com a ficção, “Sleeping Lions” da Libra Television/David & Goliath para BBC2, Inglaterra, ganhador como melhor programa na categoria ficção de 11 a 15 anos – também utiliza esse disparador. Quando a injustiça afeta a um ser querido, mais desprotegido e indefeso, o alarme se acende e a protagonista diz: “basta”. Nesse caso, o drama envolve um padrasto que abusa sexualmente de sua enteada menor. Quando Mia, de 15 anos, vê o fantasma de seu próprio segredo despertar novamente, agora contra a sua irmã menor, ela enfrenta o dilema da denúncia. Toma coragem e avança.

Em outro extremo do mundo, nas redondezas de São Paulo, encontramos “Kunumi, o trovão nativo”, parte do projeto “Minha Vez” (Free Press Unlimited e Hora Mágica Produções, com a colaboração do comKids). Um jovem orgulhoso de sua origem guarani é escolhido para representar a diversidade do Brasil no campeonato mundial de futebol. Essa oportunidade será tomada por outra causa: a luta pela demarcação das terras de seu povo. O ritmo do documentário é pausado, o tempo transcorre entre ruídos de passos e cantos de pássaros, mas quando se trata de defender aquilo que lhe é próprio, não há ninguém que impeça Werá, que vai à cidade grande para fazer rap com suas convicções, sem renunciar à própria identidade.

p02xtpsn

“Sleeping Lions”, Libra Television/David & Goliath para BBC2, Inglaterra, 2015, 15 min. Divulgação.

kunumi

“Kunumi, o trovão nativo”, Free Press Unlimited e Hora Mágica Produções, com a colaboração do comKids. Divulgação.

Esses e outros programas que poderiam somar-se à lista de “jovens comprometidos/engajados” valem para demonstrar que, mesmo quando o objetivo do programa é similar, há muitas maneiras de se contar histórias com um mesmo foco. Mas em todos esses programas finalistas há uma constante. Essas diversas estéticas, formatos e maneiras de pensar a necessidade, de romper com um status quo põem em evidência que a força da história está diretamente relacionada com a força de seus protagonistas. Desde a maneira de atuar, de se movimentar e até de olhar para a câmera. Todos eles são personagens únicos e, em determinado momento, aconteça o que acontecer, eles decidem mudar suas histórias, mudando, com essa força, a história de muitos outros.

 

Imagem do destaque: frame do filme “Tasmina, the horse girl”, AVE CUE e ATN News  India.

Compartilhe:

   
Aldana Duhalde
Aldana Duhalde

Formada em comunicação social, Aldana é jornalista, realizadora, docente e consultora independente de produções para crianças.