Colunista

Vanessa Fort

Por: Vanessa Fort

O comKids esteve presente no Prix Jeunesse Internacional (fizemos um relato do que vimos lá, que você pode ver aqui) e vibramos com a força da América Latina em presença e nas discussões com a diversidade de nossas tonalidades, afinadas com nossa realidade, nossos olhares e potencial criativo. Isto tudo teve representação em prêmios, e em postura de discussão também.

Dentre as produções latino-americanas que participaram do Festival, tivemos o programa “Te-recreo, tus notícias”, um projeto da Secretaria de Educação de Bogotá e do Canal Capital que ganhou o prêmio da UNICEF  (você pode ver os ganhadores dos outros prêmios aqui). Fizemos uma conversa com a diretora Mónica Baquero, que dividiu conosco os desafios e o prazer de fazer este projeto.

Como as perguntas que sempre inserimos em nossos debates, em todas as atividades do comKids, nesta prosa que fizemos com ela chamamos a atenção para os processos que dão espaços para a interlocução infantil.  “Te recreo, tus noticias” faz uma aproximação com crianças de escolas de Bogotá e, desde aí, criou diálogos de representação infantil. A seguir, compartilhamos a prosa que tivemos com ela. Obrigada, Mónica! =)

- Vocês têm um trabalho de aproximação com as escolas e de debate com as crianças. Como isso acontece? Qual a metodologia utilizada?

Primeiramente, marcamos encontros com os diferentes colégios de Bogotá para que a pesquisadora pudesse se reunir com grupos de não mais que oito crianças. No geral, falamos de modo individualizado com cada grupo de crianças, somente em duas ocasiões algum professor ou coordenador nos acompanhou, mas funciona melhor quando estamos a sós com as crianças. Primeiro trocamos ideias sobre o que é uma notícia e logo indagamos sobre as coisas que lhes preocupam e as notícias que eles identificam em seus colégios. Posteriormente os convidamos a pensar em soluções quanto a essas preocupações e também aprofundamos essas notícias com as crianças visitando os lugares e os personagens protagonistas de suas notícias.

Divulgação.

Divulgação.

- Como foi a construção do formato? Como vocês chegaram até aí?

Como ponto de partida, quisemos distanciar-nos do formato de notícias tradicional ou, em último caso, parodiá-lo e fazer notícia do que aparentemente não é notícia. E, como era claro que o universo desse noticiário seriam os colégios, pensamos quais seriam os diferentes temas que deveriam ser tratados.

Decidimos que haveria um bloco com temas de atualidades e que geraram opinião entre as crianças, outro de notícias de caráter diverso e outro de iniciativas infantis. Seu tratamento não seria o tradicional, mas sim decidimos fazer crônicas narradas do ponto de vista das crianças e resgataríamos em cada uma das notas, um valor cidadão intrínseco à notícia em questão.

- Sendo um projeto da Secretaria de Educação de Bogotá, como as escolas e a direção das mesmas olham para isto sem que haja um tom de denúncia, e sim um tom de propostas, de transformação, de mudanças? Digo isso justamente porque há temas que as crianças escolhem por terem queixas, reclamações, etc. Como vocês trabalham com isso? Quais são os desafios dessa metodologia? 

A essência de Te Re-Creo é permitir que as vozes e os olhares das crianças sejam o guia do noticiário. Em Te Re-Creo, além dos fatos noticiosos, o que pretendemos comunicar é um valor cidadão, que está apresentado em todo relato que apresentamos, e contar as histórias e notícias das crianças é uma oportunidade muito valiosa para esse objetivo. Nosso interesse é o de estimular a cidadania em cada uma das notas que fazemos e por isso buscamos que os colégios sejam nossos aliados.

Como Te Re-Creo é um projeto da Secretaria de Educação da Cidade, e os mais de 350 colégios distritais dependem diretamente desta instituição, geralmente eles nos abrem as portas da Secretaria. Mas, claro, ainda que contemos com essa carta de apresentação da Secretaria, é normal que a nenhum diretor interesse que se digam “coisas ruins” de sua instituição. Isso não é um problema para a Secretaria. Pelo contrário: se as coisas não estão bem, é necessário dizer que não estão bem.

Te Re-Creo almeja ser um espaço positivo que busca propor sempre uma solução mesmo que as notícias não sejam muito boas, e apresenta crianças empoderadas e propositivas. Estamos comprometidos com estar mais próximos, escutar e dar voz aos meninos e meninas de Bogotá, em um espaço onde o que realmente importa são as suas notícias e preocupações.

- Como é a construção da proposta do programa junto à equipe? Como estão organizados?

Os dois assuntos-chave para levar adiante um projeto como esse foram: primeiro, contar com uma equipe com excelentes qualidades humanas (além das profissionais) e que disfruta de estar cotidianamente nas escolas compartilhando e trabalhando com crianças. Ou seja, uma equipe de pessoas pacientes, que sabem escutar, que motivam e transmitem confiança às crianças, que lhes deixam sentir sua importância e que as suas histórias, opiniões e preocupações contam pra valer. Segundo, que esta equipe sabe que a sua missão é contar tudo desde a perspectiva e o coração das crianças e que está a serviço de sua expressão.

A produção é semelhante à de qualquer outro programa: pesquisa, pré-produção e produção para gerar laços de confiança com as crianças e permitir-lhes falar e elaborar as suas ideias no tempo que necessitam. Produzimos e pós-produzimos primeiro as notas para que as escaletas pudessem ser escritos a partir dos comentários que os apresentadores têm das mesmas.

- Para vocês, qual é o significado de ganhar o prêmio da UNICEF no Prix Jeunesse Internacional?

Receber o prêmio da UNICEF no contexto do Prix Jeunesse Internacional, estando lado a lado com uma seleção de programas com o mais belo da TV para crianças do mundo é algo realmente maravilhoso. Este prêmio é o reconhecimento daquilo que me motivou desde o princípio: dar voz às crianças. É um prêmio que nos convida a seguir buscando a expressão e participação de mais meninos e meninas, a seguir contando suas histórias que são tesouros para a humanidade, que nos diz que estamos indo bem e que nos faz muito, mas muito felizes!

Compartilhe:

   
Vanessa Fort
Vanessa Fort

Roteirista e produtora